Somos Carbono

Mas primeiramente, pensantes.

O mundo se volta para o Ouro.


Olá caríssimos!

Temos acompanhado um processo que certamente será lembrado pelas futuras gerações como a queda do império americano, e o surgimento de uma nova ordem mundial.

A implosão da máquina econômica americana começou pouco depois do abandono do ouro como forma de lastro para a moeda, e veio tomando mais e mais inércia conforme foram surgindo os vários mecanismos de criação de dinheiro à partir de praticamente nenhuma produção ou lastro.

A acentuação do processo de degradação foi mais contrastada pela decisão da União Européia de que teria o Euro como moeda comum e fazendo de seus países membros os maiores rivais americanos da produção e detenção  de riquezas.

Não bastassem as inúmeras bolhas de mercado que vieram como prenúncio da fragilidade perante a especulação financeira, o american way of business teve sua última cartada com a bolha do mercado imobiliário, trazendo grandes perdas ao redor do mundo.

Infelizmente, ao invés de pensar em capacidade produtiva e solidez econômica, a equipe de Barry Soetoro, a.k.a. Barack Hussein Obama, teve como premissa o aumento do fluxo e redirecionamento do capital, optando por uma política duvidosa de saneamento econômico que apenas privilegiou ainda mais a capacidade especulatória dos guerreiros de Wall St.

Com o influxo de mais de 20 TRILHÕES de dólares de dinheiro do contribuinte americano para dentro da sala de negociações de Wall St. , o mercado passa por momentos de indignação e temor ao ver que esse dinheiro foi usado para pagar as comissões de diretores e gerentes de bancos e para comprar outros bancos menores com finanças saudáveis. Dessa forma, a demonstração de crescimento em função do tempo fica mais fácil de se comprovar e não perder cabeças para o governo, a exemplo da GM.

Passados meses desde Madoff, observamos que o mundo se volta para o OURO.

Mas porque será, caríssimo leitor?

A verdade está nas entrelinhas.

A captação de mais de 3 mil toneladas métricas de ouro pela China demonstra basicamente três elementos:

– Primeiro: Busca de segurança perante volatilidade futura;

– Segundo: Abandono de riscos desnecessários ou que perderam atratividade;

– Terceiro: Fortalecimento da capacidade de negociação;

Claramente é uma estratégia de defesa, definitivamente uma defesa ofensiva contra a fragilidade dos títulos de tesouro americanos.

A demonstração de afastamento das economias do BRIC em relação ao Dólar vem desde a abertura de oferta de SDRs (Special Drawing Rights) pelo FMI e o gritante interesse dos países do mundo em comprar moeda para negociação.

Nesse momento, nessa semana, podemos estar passando pelo evento crucial de demarcação de uma nova forma de se fazer negócios, bastando que o FMI acrescente à formula de ponderação das SDRs o Ouro e o Carbono.

(Amanhã prometo um post especial sobre o papel do carbono no “novo” mercado que se esboça)

A mensagem que fica clara é a de que o mundo não quer mais PETRO-dólares, quer apenas o petróleo e a capacidade de decidir como e com quem irá negociar seu contrato futuro, na moeda que melhor entender ou acordar.

Abaixo, um gráfico de comportamento do Rating dos Títulos da reserva americana, as colunas em cinza são períodos de recessão.

FRED Graph

FRED Graph

Agora, um gráfico com o comportamento do ouro nos últimos 10 anos:

Gráfico do ouro nos últimos 10 anos

Gráfico do ouro nos últimos 10 anos

Gráfico do ouro no último ano:

Gráfico do ouro no último ano

Gráfico do ouro no último ano

Gráfico do ouro nos últimos 30 dias:

Gráfico do ouro nos últimos 30 dias

Gráfico do ouro nos últimos 30 dias

Gráfico do ouro dos últimos 3 dias:

Brasil, China, Índia, Russia e UE em geral estão em sintonia quanto à necessidade de redefinição de poderes de compra e venda para o mercado, já que o dólar vai se tornar cada vez mais desnecessário e gradualmente irá perder seu lugar de grande vantagem perante as demais moedas do mundo como moeda de reserva.

———————————————————————————————————————————————-

Abaixo, oslinks com as análises da  Asia Times:

Currency fiddlers wrong to cry foul
By Peter Morici

As the US dollar falls against the euro, yen and other major currencies, China and other emerging economic powers holding lots of dollars and US securities are crying foul, and for an end to the dollar’s central status in global commerce.

If they are truly disgusted, they should look to themselves for answers.

Since the end of World War II, the dollar has largely replaced gold as the reserve asset central banks hold to back up national currencies. The supply of mineable gold is too limited, and efforts to back up currency with gold would result in severe shortages of liquidity and global deflation.

BBC – Page last updated at 07:23 GMT, Thursday, 8 October 2009 08:23 UK

Why the price of gold is rising

WHY HAVE GOLD PRICES REACHED SUCH HIGHS?

There are several factors at play which are leading to demand for gold rising, pushing up the price:

Weakness of the dollar: The greenback is commonly seen as the World’s reserve currency. Low interest rates and the US government’s massive economic support package have weakened the dollar.

Those who would typically have invested in that currency are looking for other places to put their money where it will, they hope, gain value.

Speculation: A lot of the investment into gold is coming from institutions such as hedge funds – whose money needs to go somewhere.

When banks are offering very low rates of interest on savings – and money can be borrowed extremely cheaply – gold becomes attractive, observers say.

Inflation risk: Gold is seen as a hedge against inflation. Right now, inflation is pretty low, but mounting worries about potential inflation in 2010 may be enticing more investors to the precious metal.

———————————————————————————————————————————————-

Vídeos a respeito do assunto

Rússia Today.

Gerald Celente

.

Robert Fisk

.

Max Keiser

8 de outubro de 2009 - Posted by | Uncategorized | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

1 Comentário »

  1. […] A busca pelas origens, pelos valores, uma volta à essência, uma volta ao ouro (como prevê Mateus Teixeira), por quê […]

    Pingback por futuro que se faz agora « Ferlini Salles | 12 de outubro de 2009 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: